terça-feira, 31 de agosto de 2010

Removendo versões antigas do kernel no Ubuntu

A dica remove as versões obsoletas do Kernel, mantidas após várias atualizações do sistema. Elas tornam a lista de opções do GRUB (gerenciador de boot) gigante e com um espaço utilizado em disco desnecessário.

1) Verifique com a versão atual em uso com o comando abaixo (no meu caso, 2.6.32-24-generic):
$ uname -r

2) Verifique a lista de kernel intalados com o comando:
$ sudo dpkg --list | grep linux-image

3)Agora remova os que não deseja mais utilizar.
No meu caso, como o comando do passo 1 retornou a versão 2.6.32-24, posso remover as restantes com os comandos:
$ sudo apt-get remove linux-image-2.6.32-23-generic
$ sudo apt-get remove linux-image-2.6.32-22-generic
$ sudo apt-get remove linux-image-2.6.32-21-generic

Reinicie o sistema e pronto!


Boot com Firestarter no tray e sem senha


O Firestarter é um firewall gráfico, ao mesmo tempo bastante poderoso e fácil de usar. Ele é adequado para uso em desktops, onde é necessária uma forma simples de monitorar tentativas de conexão e abrir portas. Ele tornou-se rapidamente uma opção bastante popular e passou a ser incluído nas principais distribuições.

Saiba mais sobre ele no site: http://www.fs-security.com/

Você pode instalá-lo usando o gerenciador de pacotes (opção recomendada) ou baixar os pacotes disponíveis no http://www.fs-security.com/download.php.

Para instalar via apt-get:
$ sudo apt-get install firestarter

A DICA:
0) Faça BKP do arquivo:
$ sudo cp /etc/sudoers /etc/sudoers.0

1) Digite no terminal:
$ export EDITOR=gedit && sudo visudo

2) Cole esta linha no final do arquivo(depois de tudo) :

%admin ALL= NOPASSWD: /usr/sbin/firestarter

3) Salve e feche o editor: CTRL+O e CTRL+X

4) Coloque o Firestarter para iniciar minimizado no tray:

Sistemas -> Preferências -> Sessões
Adicione: Firestarter
Código: sudo /usr/sbin/firestarter --start-hidden


X-Money - atendo todas as necessidades comerciais e financeiras de sua empresa


"X-Money é um software que pretende atender a todas as necessidades comerciais e financeiras de sua empresa. No momento, possui todos os recursos básicos necessários para o controle, armazenamento e pesquisa. Além de ser rápido, intuitivo, econômico e 100% brasileiro! É o primeiro conjunto de ferramentas inovadoras de gestão empresarial para as plataformas Unix-like."



A Versão 0.3 oferece gerencimanto para:
Clientes
Fornecedores
Transportadoras
Endereços
Bancos
Contas a pagar
Contas a Receber
Formas de Pagamento
Tipos de Documentos
Tipos de Despesa
Grupos
Marcas
Produtos
Tipos de Produtos
Situações de Produtos
Unidades de Compra
Unidades de Venda
Unidades de Estoque
Filiais
Perfis
Permissões
Usuários
Impressão via PDF

###############################################################

LINKS:

Página do projeto: http://code.google.com/p/xmoney/

Screenshots: http://www.gamuza.com.br/xmoney/screenshots

Download: http://www.gamuza.com.br/xmoney/downloads


PARA O UBUNTU:

1) Download do x-money:

http://xmoney.googlecode.com/files/xmoney_0.3.0_all.deb

2) Download do php5-gtk2 :
http://xmoney.googlecode.com/files/php5-gtk2_2.0.0_Ubuntu_Jaunty_i386.deb


3) Resolva as dependências com o comando:
$ sudo apt-get install evince php5-cli php5-gd php5-mysql mysql-server mysql-admin mysql-query-browser zenity

4) Agora instale com o comando:
$ sudo dpkg -i xmoney_0.3.0_all.deb

5) Agora configure o x-monkey com esse tutorial:
http://www.gamuza.com.br/xmoney/wiki/instalacao_linux

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Ubuntu + Rápido - Diretórios Temporários na RAM


O linux usa os diretórios /tmp e /var/tmp para guardar arquivos temporários.

A dica consiste em usa-los na memória RAM, muito mais rápida que os HDs e SSDs. O mais importante é o ganho na vida útil do HD, já que os arquivos temporários tem freqüência de uso muito alta.










COMO FAZER:


1) Edite o arquivo /etc/fstab com o comando abaixo:
$ sudo gedit /etc/fstab

2) Adicione as duas linhas ao final:
tmpfs /tmp tmpfs defaults,noexec,nosuid 0 0
tmpfs /var/tmp tmpfs defaults,noexec,nosuid 0 0

2) Salve e feche o GEDIT;

3) Reinicie e pronto!




segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Monitorando o consumo da Banda 3G


O programa darkstat é um sniffer de rede que monitora, registra e exibe gráficos de consumo de banda. Muito bom para o acompanhamento de pacotes de banda larga 3G.



INSTALAÇÃO:

1- pacote:
$ sudo apt-get install darkstat

2- Edite o arquivo:
$ sudo gedit /etc/darkstat/init.cfg

3- No arquivo acima, Altere as linhas:

START_DARKSTAT=no para START_DARKSTAT=yes
INTER para a interface do 3G: INTERFACE="-i usb0"

4- Descomente as linhas abaixo - retire o # da frente:

PORT="-p 666"
BINDIP="-b 127.0.0.1"

5- Salve e feche o arquivo acima e reinicie o darkstat:
$ sudo /etc/init.d/darkstat start

Pronto! Para monitorar o tráfego, acesse o endereço abaixo do seu navegador:

http://127.0.0.1:666

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Conexão sem Senha em Servidor SSH - Chaves SSH


Esta dica permite o login SSH sem senha, através de certificados de chaves SSH.
Isso é muito útil para scripts de BKP entre servidores, etc

O PROBLEMA:
Digamos que você que conectar o computador CLIENTE 192.168.0.100 ao computador SERVIDOR 192.168.0.1

Normalmente você usa o SSH do computador CLIENTE assim:
$ ssh usuario@192.168.0.1

Aí tem que digitar a senha toda vez...

Esta dica faz com que a senha não seja mais solicitada.


1 - No CLIENTE, digite um dos comandos abaixo:
$ ssh-keygen -b 1024 -t rsa
ou
$ ssh-keygen -b 1024 -t dsa

Caso seu servidor use SSH versão 1 terá que ser usado o algoritmo rsa, mas se for versão 2 poderá ser usado tanto rsa como dsa.

2- Apenas dê ENTER para as 3 perguntas:
Enter file in which to save the key...
Enter passphrase (empty for no passphrase)...

Enter same passphrase again...


3- Se recebeu a mensagem abaixo, tudo OK:
Your public key has been saved in...

3.1- O nome da chave é /home/usuario/.ssh/id_rsa.pub guarde para o próximo comando.

4- Envie a chave pública (.pub) do CLIENTE para o SERVIDOR (nunca a privada):

$ scp id_rsa.pub usuario@192.168.0.1:/home/usuario/.ssh/
id_rsa.pub

5- No SERVIDOR, basta autorizar a chave pública recebida do CLIENTE, copiando o seu conteúdo para o arquivo de chaves autorizadas. Use um dos comandos abaixo, de acordo com o tipo de chave gerada no passo 1:
PARA RSA:
$ cat id_rsa.pub >> /usuario/.ssh/authorized_keys

ou

PARA DSA:
$ cat id_rsa.pub >> /usuario/.ssh/authorized_keys
2

Pronto! Agora, toda vez que o computador CLIENTE conectar ao computador SERVIDOR, este não pede mais senha...

$ ssh usuario@192.168.0.1


domingo, 1 de agosto de 2010

REMOVENDO DIRETÓRIOS CHEIOS COM O RM

O PROBLEMA:

Você executa o comando rm para remover um diretório e recebe o seguinte erro:
$ rm 'DIRETÓRIO'
rm: não foi possível remover 'DIRETÓRIO'

A SOLUÇÃO:

Use os parâmetros -rf:

$ rm -rf 'DIRETÓRIO'

Vamos entender os parâmetros -rf:
r: -r, -R, --recursive remove diretórios e seus conteúdos recursivamente;
f: -f, --force ignora arquivos inexistentes, nunca questionar;

PERMISSÕES:

Se o comando acima retornar:
rm: não foi possível remover 'DIRETÓRIO': Permissão negada

Use o sudo para executá-lo com privilégios de superusuário:

$ sudo rm -rf 'DIRETÓRIO'

Pronto! Você já consegue remover diretórios cheios pelo shell!